Marcadores

Seguidores

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Tuiuiú - Simbolo do Pantanal


TUIUIÚ
Corpo robusto
Da planicie pantaneira.
- Ave altaneira!


Plumagem branca
No alto das árvores:
Tuiuiús nos ninhais!

 
Ave símbolo!
 Tuiuiú do Pantanal
tem beleza real!

Vilma Piva

Direitos Autorais Reservados ®

Encanto


CANTO OUTONAL


Cantos d´outono
Lembram vozes do verão.
Amor saudoso.

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

domingo, 27 de novembro de 2011

Ancoradouro


ANCORADOURO

Retorno com o amor à paz do porto!
Confortada por dois olhos em alto mar.
Preparou-se no horizonte o preamar
Da vida dos que se lembram num horto.

Resgatou-se na busca dos esquecidos
Desejos marejados diante das visões
Do barco do amor, sonhando ilusões,
À paz do porto depois da luta vencida!

Festeja o cais a alegria da chegada,
O encontro, a poesia em terra firme,
E não há quem o amor não confirme
A rota para o farol da paz esperada!

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Nó de Suspirar


NÓ DE SUSPIRAR

Teu paladar me toma
Ao sabor da tua vela esganiçada
E fico envolta de um mar da noite
Navegando–te em conchas suspiradas.

Aos nós dos teus ventos
Levas-me refém ao teu peito
Abarrotando-me barcas de pressentimentos
Que lambem o sal do nosso leito.

Ondeio teu corpo num beijo de permeio
A respingar tuas carícias à tona dos meus seios,
Estreito-te âncora nos meus braços
E zarpo contigo nas amarras do teu laço.

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

domingo, 20 de novembro de 2011

Somos II


Somos II

Somos sorte que a poesia conspirou!
O premio do sentimento delirante,
A sequência da linha escrevente,
A soma do sonho que não titubeou.

Somos pensamentos, tráfegos e becos!
Lanternas de luzes, avenidas e muros.
Somos terra na saga dos futuros,
Sementeiras dos silos em ecos.

Somos balanços de amor em danças!
A benção da colheita encenada,
O roteiro, a viagem e a chegada,
A seiva dos corpos em alianças.

Somos duas cores que se mesclam!
Terceiro tom da mesma aquarela,
O retrato da aurora abrindo janelas,
Sentidos e gozos que se misturam.

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

Paixão



PAIXÃO

Escravos do amor e sexo
são amantes da paixão.
O côncavo e o convexo
de pele, carne e coração.



Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

sábado, 19 de novembro de 2011

Beija-Flor




BEIJA-FLOR

Pássaro e flor
beijam-se docemente
entre carícias.

Vilma Piva

Direitos Autorais Reservados ®

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Tempo


TEMPO

Basta um sopro
para quão perecível
ser - o humano!

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Tango - Poesia



TANGO - Poesia

Decotas-me o vestido vermelho
Preso as curvas dos meus ombros
E bailas comigo teu corpo sedutor
Num rocio perfumado e elegante
A espreitar a fêmea arquejante
Enlaçada ao bandoneon de teus braços.

Desenvoltos ao tango que a cada passo
Prendes-me ao teu amante peito viril
Compassando-me ao alto dos meus saltos
A oferecer-te dançante a minha boca
Entreaberta, desejosamente delineada,
Próxima do teu rosto e dos meus arrepios.

Comandas sensualidades a passos largos
A dançar em nossos corpos sincronizados
Encaixados por mantos que levantam
Minha perna desnuda em fenda insinuante
No deslizar das coxas ao toque da tua mão
Seduzida por teu olhar fixo nos meus.

E soltas-me num repente em ropodios
Ritimando giros que me retém ao gozo
Nas tuas voltas e idas impulsionando-nos
Redobrados calafrios, entregues ao decote
Das volúpias em teus quereres indomáveis
Curvando-te arfante ao roubo de um beijo meu.

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®






quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Verso Calado


VERSO CALADO

Deitou o verso o poeta insone
por sobre a mesa fria do silencio
olhando-o tênue luz do casarío
ao adentrar da lua por cicerone.


E ali se fizeram horas de nostalgias
entre paredes de vasta amplidão:
lembranças, clareiras na escuridão,
desenhos e ais de melancolias.


Repaginou-se só, calcinado
às luzes inscritas nas estrelas
com mesmo sentir de poeta alado:


Ter a poesia do verso calado
com voz aguerrida e enfim trazê-la
Ao chão de prata do poeta ilhado.

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®