Marcadores

Seguidores

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Mensagem de Ano Novo


MENSAGEM DE ANO NOVO !

Que nesse ano de 2011
todos os nossos sorrisos
sejam fartos de alegrias
e que unidos possamos
compartilhar os 365 dias
do novo ano que se inicia!

Que nesse ano de 2011
possamos expandir felicidade
e perceber na simplicidade
o valor de todas as coisas
que nos congregam ao mágico,
à poesia, ao amor e a esperança!

Que nesse ano de 2011
possamos ser essência e fruto
para um mundo melhor
espalhando sementes de paz,
de amizade e solidariedade,
através de gestos ao nosso redor!

Que assim seja!

FELIZ ANO NOVO !!
FELIZ 2011 !!

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

domingo, 26 de dezembro de 2010

Estadia


ESTADIA - Rondel IX

Eu vim... depois da fuga e da luta
Deparar com o vazio que me escolta,
Sem tua boca e sentido de escuta,
Amorosamente me trazendo de volta.

Em toda dor eu fiz re-vira-volta,
E me vi saudosa, pronta para labuta.
Eu vim... depois da fuga e da luta
Deparar com o vazio que me escolta.

Eu vim para o chamego que executa
O despudor de te ter de volta
No seio do pecado em permuta
Por amor a essa paixão que não me solta...
Eu vim...depois da fuga e da luta!

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Fagulhas da Paixão


FAGULHAS DA PAIXÃO

Teus lábios nos meus é um regalo
De mel desejoso, ardiloso!
É céu de emboscadas para amá-lo
Enleado do meu beijo mais ansioso.

Beijo de fazer amor contigo,
Perdida em tuas mãos sem reversas
Descobrindo-te doce castigo
Nas reentrâncias de ser tua Eva.

No paraíso do teu corpo suado,
Ofegante e louco em prontidão
Ao bote de um cio serpenteado

De fagulhas nos poros da paixão,
Estendendo-me o éden molhado
De carícias na tua língua- sedução.


Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

sábado, 18 de dezembro de 2010

Preciso De Ti


PRECISO DE TI

Preciso das tuas tentativas de amor
Nesse meu jeito imperfeito de dizer
Que teu amor sabe me encontrar
No frio ou calor sonhando-te viver.

Preciso, enfim, aliviar teu cansaço!
Ser fim da procura, tua doce quimera;
O pecado e o desejo do teu abraço,
A absolvição do teu beijo à espera.

Preciso de ti !
De todo esse amor que pudera!

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Águas Azuis



ÁGUAS AZUIS

Nas marcas d´águas das loucuras
Caminho entre o espasmo e paixão
Á beira dos panos das ternuras
Vejo-te todo cobalto de emoção.

No profundo azul do teu coração
Humano, mais feliz das criaturas,
Que sonha o sonho que antemão
Reflete a vida com toda fissura.

E cintilas os lagos dos olhos meus
Na vazante dos céus que me reflete
Margens de rios nos braços teus

E águas de felicidades em apogeus
Que todo meu universo te sente
No translúcido sorriso de Deus.

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Mar de Paixão


MAR DE PAIXÃO

Amadurecidos durante e após
O irisar de um beijo apetente,
Brilhou a luz do dia contente
No mundo que espera só por nós.

Matizados de amor, ensolarados,
Clareando dias e noites em ais
Nossos corpos acordados em sais
Num mar de paixão, iluminados.

Abarcados na língua do infinito
E incontidos na pele dos desejos,
Águas claras contigo eu fito:

Porto da nossa carne em rito,
Ardor de mar aberto em beijos,
Oceano do gozo mais bonito!

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

domingo, 12 de dezembro de 2010

Lobo do Amor


LOBO DO AMOR

No talvez da noite escura, em você
Reste o clarão da lua para viver
Sonhos, que bem sei ao escurecer
Quanto o amor levita e nos provê.

Talvez na penumbra do teu jeito
Haja um facho de luz por nascer,
Sol da noite, querendo antever
Minha saudade lilás no teu peito.

Ah...lobo do amor, sol do resplandecer!
Meus seios em tuas mãos de calores
Em noites de luas saudosas e tardias,

Lembrando de você no aurorescer
Daqueles nossos beijos de amores
Vestindo-nos de uivos em fantasias.

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

Me beija e Me Abraça


ME BEIJA E ME ABRAÇA - Rondel VIII

Me beija, amor! Me abraça forte!
Quero meu norte de enlouquecer
Com teu cheiro no meu cangote,
Ver o paraíso em abraços de viver.

Quero a sede da tua boca de beber
Tremores em meus lábios de mote.
Me beija amor! Me abraça forte!
Quero meu norte de enlouquecer.

Quero-te e que nada mais importe
Às nossas línguas na taça à sorver
O tempo do amor que à toda sorte
Brinda gostoso esse nosso prazer.
Me beija amor! Me abraça forte!

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

sábado, 11 de dezembro de 2010

Cantata da Manhã


CANTATA DA MANHÃ - Rondel V 

Nasce o sol faceiro! Canta a manhã!
Acorda o semblante da aurora feliz
No rebento da tua boca de hortelã
Tatuando em mim a paixão motriz.

Cora meu desejo no céu que prediz
O místico enlevo do garbo galã.
Nasce o sol faceiro! Cinge a romã
Acorda o semblante da aurora feliz
 
Luz do amanhecer! Gosto de maçã!
Astro incandescente do meu matiz
Acalorado em teu vivo peito de afã.
Translúcido! Sou tua embaixatriz!
Nasce o sol faceiro! Canta a manhã!

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

Meu Homem Desejo


MEU HOMEM DESEJO  - Rondel IV

Meu corpo de luz se despede do pejo
E apronta a mulher em fagulhas de amar
Querendo-te nu, meu homem desejo,
Com todo vigor de línguas a beijar.

Atiça meu louco corpo a se entregar

Ao vicio delirante da paixão em desejo.
Meu corpo de luz se despede do pejo
E apronta a mulher em fagulhas de amar. 

Meu homem amante, meu suor e arpejo,
Faz-me mulher e me pega de jeito,
Encaixada entre pernas sou o cortejo
Do teu sexo abrasado no meu leito.
Meu corpo de luz se despede do pejo...

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

No Corpo da Noite


NO CORPO DA NOITE
- Rondel III

No corpo da noite o sol não me priva
Das horas luminosas por te encontrar
Tentando-me chamas em carne viva,
Face de sol, dia claro a me chamar.

Nos meus seios de luminas a marejar
Fulgores em suores de paixão ativa,
No corpo da noite o sol não me priva
Das horas luminosas por te encontrar.

À luz da noite, irradiado ele me criva
Teu claro peito em lençóis de abrasar,
Marés cheias no meu corpo de Diva,
Translúcida, gozoza a nos transbordar.
No corpo da noite o sol não me priva!

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Esperei feito Sol



ESPEREI FEITO SOL - Rondel II

Esperei feito sol... Mas não surgiste

Daquele sonho que sonhei em rondas,
Procurando tua voz na multidão triste,
À minha espera, no cais das ondas.
À luz dos meus cabelos, tu me sondas
Anunciando o fulgor que por ti existe.
Esperei feito sol... Mas não surgiste
Daquele sonho que sonhei em rondas.

Trançou-se o cintilar por onde me viste
Abraçada a lua sem que me escondas
A gestação de um sol futuro que insiste
Ensolarar nossos dias para novas rondas.
Esperei feito sol.... Mas não surgiste!

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Esperei feito Chuva


ESPEREI FEITO CHUVA - Rondel I

Esperei feito chuva. Não vieste
Abraçar o meu corpo umedecido.
Juntei meus cacos na cor celeste,
Roguei por esse amor desmedido.

Fui água de choro, chão esquecido,

Trovão do meu amor inconteste.
Esperei feito chuva. Não vieste
Abraçar o meu corpo umedecido.

Desabei na paixão que me deste
Ao relento do olhar entristecido,
Chovendo a lágrima que me veste
Temporal do teu amor bandido.
Esperei feito chuva. Não vieste!

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Oráculo do Meu Amor


ORÁCULO DO MEU AMOR

No colo das alvuras levo a cruz
Do amor que ao peito me cabe
Por sagrado em profano alarde
Nesse céu incensado por tua luz.

E ouço do coração meu oráculo
Em preces por tua boca querente,
Ritualizando consagradamente
Meu ofício ao teu tabernáculo.

Sobre todas as coisas, sem receios,
Teus cravos vermelhos, rubescentes,
São hóstias de auras nos meus seios

Ao jugo das vestes transparentes
Do meu amor desnudo que ponteio:
Tu, meu doce pecado fremente !

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

domingo, 5 de dezembro de 2010

Amor Maduro


AMOR MADURO

Teu amor é sábio nos meus dengos
Fazendo gemer meus lábios de baton,
Na cor do outono, sabor de bombom,
Na paisagem indócil aos verdolengos.

Amadurecido nas cores do velho amor
Vitalizas o sabor e a maciez da avelã
Que sabe do hoje, ontem e amanhã,
E que num beijo arde o doce frescor.

E o dia nasce para o ruflar de afagos
Nas asas contentes do feliz sorriso
Sonhando o sol no reflexo que trago

Em meu rosto maduro, marcas diviso,
Nesse estar de novo em teu doce abrigo
Amando a felicidade quase sem juízo.

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

sábado, 4 de dezembro de 2010

Outonal


OUTONAL

Vou bebendo essa tardia paixão
Enquanto respiro o frescor outonal
Nessa flagrada hora passional,
Tradutora luzente da minha ilusão.

E me vejo na tarde do meu clichê,
Que ao poente, ao findar das cores,
Virá a noite confessar amores
Sobre minhas saudades de você.

Trará do tempo nosso madrigal
Que se grisalho a caminho anda,
Trançará novo sol no sideral.

O´muso, ícone transcendental,
Bebe comigo dessa ciranda
Que a noite não tardará o habitual.

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Noturna Melodia


NOTURNA MELODIA

Ao som crepuscular da Ave Maria
Dormitam casas sob o céu d´estrelas,
E o sol poente aquieta-se ao vê-las
Reluzentes na noite que principia.

E a natureza equaliza e descerra
O ciciar dos ramos e de suas flores
Compondo-os guardiões cantores
Que em coros encantam a terra.

Energizam vidas no berço do sono,
Colorem sonhos com ecos e cores,
Ninam benesses na voz do outono.

E derramam bálsamos curadores
Ao novo dia que florido por abono
Surge das santas preces dos amores.

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

Noite Fria


NOITE FRIA

Cantos e canções pelas calçadas
Choram agonias do bardo trovador
Que na noite fria traz seu cobertor
De encantos à lua e as madrugadas.

Na praça, no coreto e nos jardins,
Numa mesa de bar cantam boêmias
Sobre os seios da amada em poesias
Perfumam os madrigais de jasmins.

E a noite entoa o que num grito pia...
Dissipa o nevoeiro à luz do decote,
Faz seresta, acende seus archotes,

Aquece-me da friagem que principia
O inverno e a garoa dos chicotes
Pelas ladeiras do seu capote.

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

No Limiar do Inverno


NO LIMIAR DO INVERNO

Não mais importa o vento do outono
Nutrindo folhas já amareladas,
Tão pouco as vozes das madrugadas
Querendo sonhos de abandonos.

Eis que a luz insurge das centelhas
Tremulando a calidez do sereno
Sobre as casas de sol ameno,
Às portas do inverno, sob as telhas.

E deixo o sol entrar batendo na soleira
Dessa minha textura de lareira
Ardendo mantas de aconchegos,

Entre paredes, em panos de fundo
No aceso da órbita do meu mundo
Sonho-te acalorado em meus arreigos.

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

Pássaro Poeta


PÁSSARO POETA

Ó Poeta das estesias!
Teu belo coração modesto
Não percebe que atesto
Quanto de ti me extasias?

Tens o cativo dom da natureza!
És alado de riquezas e magias
Em terras e céus de poesias
Toda inspiração de real beleza!

Ó asas azuis das sinfonias!
Tens o cantar de todo universo
O esplendor da cor e do verso
O encanto do som em melodias!

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®