Marcadores

Seguidores

sábado, 8 de agosto de 2015

Cadeira na Calçada



Bem nos disse Mario Quintana sobre um tempo que havia cadeiras nas calçadas,
e desse tempo eu me recordo bem....

Lembro daquele burburinho da rua Santa Cruz nos finais das tardes, quando a criançada num corre-corre já esperava os amigos para brincarem de amarelinha, matança, bola, bolinhas de vidro, peão, boneca ou bicicleta, enquanto os adultos se acomodavam em cadeiras nas calçadas, sob a luz da lua, para mais um bate papo na boca da noite.

O tempo passava devagar ......acho mesmo que ele meditava sobre os risos soltos, os pequenos gestos, as grandes amizades e sobre o cuidado daqueles olhares atentos de meu pai.


Saudades da minha rua!

Saudades dos meus pais!!




Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®




2 comentários:

  1. Olá Vilma querida Poeta que prosa mais deliciosa, repleta de um tempo maravilhoso repleto de paz e um gosto doce de amor familiar e de amigos que alegravam nossos corações.Parabéns amei! Bjs de violetas

    ResponderExcluir
  2. Eu me lembro com saudade o tempo que passou, parece musica, mas é uma triste realidade da perda que colhemos com o tempo, daquela tranquilidade, da segurança de um mundo menos perverso, onde os vizinhos eram amigos/parentes confiança reinava.
    Perdemos amiga e só nos resta colocar em poesia.
    Saudades do meu pai ido a mais de 25 anos.
    Abraços.
    Bju

    ResponderExcluir

Obrigada pelo carinho da sua leitura!
Deixe seu comentário, ele é muito importante!