Marcadores

Seguidores

terça-feira, 12 de julho de 2011

Improviso




IMPROVISO

Quando a noite sorri
Nos acesos olhos da lua
Conspira à minha revelia
A luz dessa supremacia
E faz-se o riso da minha rua.

Brincante, vem nos meus lábios
Enfeitar a solidão de risos,
Risos esquecidos das horas
Sem tempo de ir embora
Nesse duro chão que eu piso.

Sorri em minha boca
Amigos e paragens,
O luar, o piano e violão
O amor em noturna visão
E o riso do poeta em miragens.

E sorrimos em rimas,
Arrimos de sorrisos
Que sorriem num chiste
Por saber que o riso existe
Sorrindo risos de improvisos.

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo carinho da sua leitura!
Deixe seu comentário, ele é muito importante!