Marcadores

Seguidores

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Estagnação


ESTAGNAÇÃO

Desce a vida sem os sentidos de outrora
E a estagnação é nevoenta na noite escura
Embaçando horas foscas, cinzas do agora,
Quando a vida dita verbos dizendo-lhe não.

Alegrias se calam com sabor de decepção
No breu da boca da noite fria, descolorida,
Sem os sonhos repaginados de uma ilusão
Quando a vida dita verbos dizendo-lhe não.

Melancólicas agonias adormecem no vazio
Das mãos ao relento sem que se acelerem
Sonhos de um suspiro no marasmo que fere,
Quando a vida dita verbos dizendo-lhe não.

Letárgico coração. Real é a descrença e a visão
Que cortante sangra os pulsos de um coração
Quando a vida dita verbos dizendo-lhe não.

Vilma Piva
Direitos Autorais Reservados ®

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo carinho da sua leitura!
Deixe seu comentário, ele é muito importante!